O teste do gel

Revista Veja

Por Anna Paula Buchalla

Ele já era quase um item obrigatório na bolsa das mães de crianças pequenas – que vivem com as mãos sujas, caem e se machucam o tempo todo. Desde abril, com a disseminação da gripe A no Brasil, o gel antisséptico está praticamente em todo lugar: na pia do banheiro, na porta de entrada das escolas, na mesa do escritório, nos toaletes dos shoppings e por aí vai.

Com uma concentração de álcool em torno de 70%, o gel é capaz de matar os vírus e bactérias dos ambientes onde circulamos no dia a dia. Isso inclui os causadores de resfriados e gripes, como o temido vírus influenza do tipo A. A exceção são vírus e bactérias de ambiente hospitalar, mais resistentes. A pedido de VEJA, o laboratório Microbiotécnica comparou a capacidade antibacteriana de quatro marcas muito vendidas de gel antisséptico. O resultado: "Um antisséptico só tem o alcance esperado, ao redor de 90%, se as mãos estiverem limpas", diz o biomédico Roberto Figueiredo, que conduziu o teste. De acordo com os resultados, lavar as mãos é, em geral, mais eficiente do que espalhar o gel (aliás, os fabricantes fazem questão de deixar claro que o antisséptico não substitui a lavagem das mãos). Ou seja, ele se torna realmente útil nos locais onde não há água e sabão. O ideal, sem que isso se transforme num ritual obsessivo-compulsivo, é que as duas providências sejam combinadas nas situações de maior exposição à sujeira. Entre as bactérias mais perigosas que podem ser encontradas nas mãos, está o Staphylococcus aureus, que teve uma medição isolada no teste encomendado pela revista. "Quando entra em contato com cortes e outros ferimentos, o Staphylococcus aureus é causa comum de infecções purulentas", diz a microbiologista Rita de Cássia Salomão, diretora técnica do Microbiotécnica.

Como foi feito o teste

Resultados do teste

O gel antissÚptico e a pele

Sim, ele resseca a pele. O uso frequente do antisséptico pode provocar, ainda, vermelhidão. "Nos últimos meses, por causa da utilização intensiva desse gel, aumentou o número de pacientes com irritação nas mãos", diz o dermatologista Paulo Ricardo Criado, do Hospital das Clínicas de São Paulo.

O motivo

O álcool destrói a capa protetora de gordura e causa fissuras microscópicas na camada mais superficial da epiderme – aquela que, justamente, retém a água da pele. Com a perda de água, ocorre, obviamente, ressecamento e, em casos mais graves, inflamação.

Quanto e como usar

O gel, assim como a limpeza com água e sabão, tem efeito temporário. "Após duas horas, a mão estará novamente colonizada por bactérias", explica a infectologista Thaís Guimarães. Mas não é recomendável repetir a aplicação de duas em duas horas. O ideal é usá-lo no máximo quatro vezes ao dia, espalhando uma quantidade equivalente a uma gota grande.

Quem deve evitá-lo

Quem é predisposto a rinite ou asma. Não é o álcool que causa problemas, mas componentes de sua fórmula, como essências e conservantes. Quando entram em contato com o sistema imunológico, depois de danificada a camada mais superficial da epiderme, eles podem desencadear processos alérgicos.

O creminho básico

Como as crianças de até 6 anos tendem a ter a pele um pouco mais ressecada que a dos adultos, os dermatologistas recomendam que suas mãozinhas sejam imediatamente hidratadas depois da aplicação de gel antisséptico.

canada goose pas cher, moncler soldes, moncler pas cher, barbour pas cher, parajumpers pas cher,